Já pensou ter um elefante no aquário?

Esta ficha foi produzida para o site AqOL

O peixe elefante (Gnathonemus petersii) habita córregos africanos, especialmente rios da bacia do Níger. Encontrado em países como o Camarões, Congo, Nigéria e Zâmbia. Além haver uma parte do corpo mais achatada, há uma protuberância na boca, um prolongamento, semelhante á uma tromba de elefante. Trata-se de um prolongamento da boca e órgão sensorial, usado para auto-defesa, navegação e comunicação. Justamente esse aparelho lhe permite navegar nas águas turvas e de fundo lodoso onde é encontrado. É de hábito noturno e pode viver de 6 a 10 anos.

Parâmetros: Apreciam um pH em torno de 6.8 a 7.5, temperatura variando entre 25 e 28°C e dureza média.

Dieta: Não parecem gostar de ração em flocos. Assim, alimentos vivos, Tubifex, bloodworms, larvas são apreciados por esse animal. Minhocas também são opções adequadas.

Comportamento: É um peixe territorial com os de sua espécie, portanto, podem ser ou mantidos sozinhos ou em comunidades. Quando em pares, um será constantemente molestado. Lembrando apenas que se for mantido em grupos, o aquário precisa ser de grandes dimensões e com refúgios e esconderijos para evitar maiores problemas com as brigas. Com outras espécies, são pacíficos. São, contudo, tímidos. Peixes mais rápidos ou agressivos. Estes podem intimidar o peixe elefante e ele não conseguirá competir por alimento.

Aquário: Assim como as bótias gostam de esconder-se, esses peixes também apreciam esconderijos, que podem ser formados por troncos, pedras ou mesmo esconderijos e túneis de PVC, como é comum muitos aquaristas aqui no Brasil montarem. O cascalho não deve conter arestas cortantes para não prejudicar o sensível nariz do Peixe Elefante. Ainda assim, é difícil de manter em aquário, que precisa ser estável e os padrões químicos da água serem compatíveis com seu habitat. Há a necessidade também do aquário ser maior, já podem passar dos 25cm. Portanto, o ideal é um aquário com pelo menos 200L, 100x40x50.

Dimorfismo sexual: Ainda não se sabe diferenciar o macho da fêmea. Acredita-se também que, quando em cativeiro, os machos tendem a inverter a polaridade do campo magnético produzido por seu nariz, e isso confunde os exemplares, que não conseguem distinguir macho de fêmea. Sim, eles são peixes elétricos, mas não possuem o mesmo Poder de um Poraquê, por exemplo. E macho e fêmea são atraídos por esse campo magnético. Enquanto no macho o campo é positivo, na fêmea, negativo. Não há, entretanto, estudos conclusivos sobre a reprodução desses animais.

Reprodução: São ovíparos de fertilização externa. Ainda não se conseguiu realizar a reprodução destes peixes em cativeiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s