Gourami Pigmeu (Trichopsis pumila)

Essa ficha foi produzida para o site AqOL

Gourami Pigmeu (Trichopsis pumila): Um pequeno anabantídeo encontrado em diversos locais como Tailândia, Laos, Camboja e Indonésia. Atinge cerca de 4 cm, pode viver cerca de 03 anos ou mais. Seu corpo é semelhante ao de uma betta fêmea, com diversos pontos e linhas verdes, azuis e vermelhos iridescentes. Seu olho também apresenta um azul iridescente marcante com incidência de luz.

Habita charcos, lagoas de águas quase paradas, valas de turfa com grande quantidade de matéria orgânica. Ou então riachos com densa vegetação nas margens. Portanto, aprecia água extremamente calma e cm baixa luminosidade. Por ser anabantídeo, possui um órgão chamado “labirinto” que permite respirar ar atmosférico.

Visto que seu ambiente natural apresenta grande quantidade de matéria orgânica e ácidos húmicos, é encontrado em locais com água bastante mole e por vezes em pH 3,0. Não é muito indicado para iniciantes. Deve ser inserido no aquário quando este estiver estabilizado.

Alimentação: É onívoro e predador por natureza. Caça pequenos insetos, crustáceos, pequenos caramujos e zooplâncton. Aceitará alimento industrializado. Como todos os peixes,sua alimentação deve ser complementada com alimentos vivos para exibir todas as suas cores.

Parâmetros: Mantenha-o em um pH entre 5 a 7. A água deve ser mole, entre 5 e 20DH. Peixe de água tropical, com temperatura entre 25-27°C.

Comportamento: É um peixe tímido que deve ser mantido em grupos. Os machos podem ficar agressivos entre si na época da reprodução. Contudo, se o aquário tiver vários esconderijos – como plantas – nada de anormal irá acontecer.

Aquário: Por seu tamanho diminuto, um tanque com 30x20x20 já é adequado para um grupo de 6 indivíduos. Evite movimentação na água e plante o tanque. Uma luz de menor intensidade também é melhor para a espécie. Nessas condições, plantas como musgos, valisnérias e Rabos de Raposa são ideais. Plantas de superfície também são bem vindas.

Companheiros: Apenas peixes pequenos e que compartilhem dos mesmos parâmetros, como micro-rásboras, ottoscinclus e coridoras. Peixes como os Barbos e outros anabantídeos devem ser evitados, pois irão intimidá-los.

Dimorfismo: Os machos possuem as barbatanas maiores e o dorso mais colorido.

Reprodução: Melhor realizada em um aquário somente para a espécie. O macho constrói um ninho de bolhas em plantas ou folhas flutuantes. O ninho geralmente possui poucas bolhas. Ocorre de maneira semelhante ao dos bettas. O macho irá dar um abraço na fêmea, que libera ao final do cortejo de 40 a 170 ovos. O macho cuida do ninho. É melhor retirar a fêmea do aquário. Após dois dias, os filhotes irão começar a nadar livremente. Retire o macho quando isso ocorrer. Nos próximos dez dias, aproximadamente, devem ser alimentados com infusórios. Quando tiverem tamanho suficiente, podem começar a receber náuplios de artêmia e microvermes. Os pequenos se desenvolvem bem lentamente.

Curiosidade: Quando está animado e na época de reprodução, tanto os machos quanto as fêmeas produzem um barulho semelhante a uma série de Clikes. O som é conseguido através do bater rápido das nadadeiras peitorais. Um estudo realizado em 1998 indica que esses sons variam de peixe para peixe e que a freqüência do som tem influencia no resultado final do encontro entre rivais. Portanto, tem influencia no estabelecimento de hierarquia.

Outro detalhe é que foram descritos em 1936 como Ctenops pumilus. Foram transferidos para o Gênero Trichopsis em 1965.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s